Depressão e ansiedade são diferentes, inclusive nos sintomas

Apesar de sempre serem citadas juntas, ansiedade e depressão são coisas muito diferentes.

De uma forma leiga, a ansiedade é como se uma pessoa que funcione a 110 volts fosse ligada em 220; e a depressão é como se uma pessoa que precisasse de 220 volts para funcionar fosse ligada em 110.

Ler na íntegra aqui.

Incidência do cancro do colo do útero diminuiu

A incidência do cancro do colo do útero sofreu “uma baixa muito significativa” em Portugal, em especial na zona centro, onde se situa abaixo da média europeia, revelou o presidente da Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia (FSPOG).

Em declarações à agência Lusa, Carlos Oliveira afirmou que na zona centro a incidência deste tipo de cancro é de 8,5 casos em cada 100 mil mulheres por ano, um número que é já mais baixo do que a média europeia (que se situa entre os nove e os 9,5 casos).

Ler na íntegra aqui.

Cientistas controlam ansiedade no cérebro usando luz

Cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, usaram luz para identificar com precisão os circuitos neurais responsáveis pela ansiedade.

Trabalhando com animais de laboratório, os cientistas identificaram duas rotas principais no cérebro: uma que promove a ansiedade e outra que alivia a ansiedade.

Ler na íntegra aqui.

Portadores de VIH têm mais riscos de sofrer fracturas

Pacientes infectados com o vírus VIH apresentam baixa densidade mineral óssea, o que aumenta as probabilidades de sofrerem fracturas. Contudo, não havia, até agora, dados estatísticos do número desse tipo de ocorrência entre essas pessoas. Um estudo publicado na Clinical Infectious Diseases analisou as diferenças nas taxas de fracturas entre pacientes infectados pelo VIH e a população em geral e encontrou maiores índices de fractura entre pacientes com a síndrome.

Ler na íntegra aqui.

Nano-Velcro captura células de cancro que circulam no sangue

Já faz mais de um século que se descobriu que as células do câncer viajam pela corrente sanguínea, podendo depositar-se em outros pontos do organismo, em um processo chamado metástase.

Desde então, os cientistas têm sonhado em desenvolver mecanismos para rastrear e capturar essas células, se possível antes que elas espalhem a doença.

Agora, um grupo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, deu um passo importante nesse sentido.

Ler na íntegra aqui.

Tomar sol influencia absorção de medicamentos pelo corpo

A capacidade do corpo para metabolizar os medicamentos está intimamente relacionada com a exposição à luz solar e, portanto, pode variar com as estações.

A conclusão é de um estudo conduzido pelo renomado Instituto Karolinska, da Suécia.

Ler na íntegra aqui.

Nanodiamantes vencem câncer resistente à quimioterapia

Cientistas estão testando nanodiamantes – diamantes pouco maiores do que uma célula humana – para combater os tipos mais agressivos de câncer, aqueles que já se espalharam pelo corpo.

A resistência às drogas usadas na quimioterapia responde por mais de 90 por cento dos fracassos dos tratamentos de câncer com metástase.

Ler na íntegra aqui.

Obesidade: Estudo revê diagnóstico de perímetro abdominal

Medidas de obesidade geral – como o Índice de Massa Corporal (IMC) – são tão boas para prever o risco cardiovascular quanto as estimativas de obesidade localizada – como a medida do perímetro abdominal. É o que diz um estudo da Universidade de Cambridge publicado na revista The Lancet.

Ler na íntegra aqui.

Cientistas desvendam segredo de erva medicinal chinesa

Os produtos naturais da medicina tradicional chinesa vêm funcionando há milênios.

O que os cientistas querem descobrir é como eles funcionam – isolando os princípios ativos, pode ser possível potencializar seus efeitos, controlando doses para tratamentos mais críticos.

Agora foi a vez da erva conhecida como cipó deus do trovão, ou lei gong teng, ter seus segredos revelados.

Ler na íntegra aqui.

Surge uma nova esperança para controlar o colesterol

Um caminho novo e promissor para inibir a produção de colesterol no organismo acaba de ser descoberto.

Essa nova rota pode produzir tratamentos tão eficazes como os medicamentos existentes, mas com menos efeitos colaterais. A equipe do Dr. Andrew Brown, da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, descobriu que uma enzima conhecida como esqualeno mono-oxigenase (SM) desempenha um papel na produção de colesterol que se desconhecia até hoje.

Ler na íntegra aqui.

Placas de Alzheimer podem nascer no fígado, e não no cérebro

Cientistas do Instituto Scripps, nos Estados Unidos, descobriram indícios de que as placas de proteína beta-amilóide, associadas à doença de Alzheimer, podem se originar no fígado e migrar para o cérebro.

Embora uma doença enquadrada tipicamente como neurológica, afectando o funcionamento do cérebro, estão se acumulando evidências de que o cérebro pode ser o ponto de manifestação da doença, mas não de sua origem.

Ler na íntegra aqui.

Hortelã trata e inibe surgimento de úlceras estomacais

Cerca de 10% da população mundial tem ou já enfrentou um quadro de úlcera péptica em algum momento da vida.

Esta doença, que causa danos e desconforto ao estômago, acomete principalmente indivíduos com idade entre 30 e 70 anos, e seu desenvolvimento está fortemente relacionado com a digestão alimentar.

Ler na íntegra aqui.

Cientistas desenvolveram teste sanguíneo para detectar síndrome de Down

Uma equipa de cientistas desenvolveu um teste sanguíneo em mulheres grávidas que detecta se o feto tem síndrome de Down. Os resultados preliminares foram publicados ontem na revista Nature Medicine, a técnica pode evitar os testes mais invasivos utilizados hoje.

Ler na íntegra aqui.

Células-tronco geram neurônios perdidos por Alzheimer

Cientistas conseguiram pela primeira vez transformar uma célula-tronco embrionária humana em um tipo de neurônio que morre logo no início da doença de Alzheimer.

A morte desse neurônio específico é uma das principais causas da perda de memória associada à doença.

Ler na íntegra aqui.

Nanotecnologia ajuda a minimizar efeitos da quimioterapia

Cientistas da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, desenvolveram um mecanismo que pode ajudar a reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia, como perda de cabelo e enfraquecimento do sistema imunológico.

O dispositivo fornece pequenas quantidades de paládio às células doentes.

Muitas reações bioquímicas intracelulares são controladas pelos metais de transição, geralmente na forma de metaloproteínas.

Ler na íntegra aqui.